» Notícia » COFFITO publica parecer contrário à graduação em Fisioterapia na modalidade EAD

eadno

Nos dias 19 e 20 de fevereiro, em Brasília, a Comissão de Conhecimento Científico e Educação da Fisioterapia do COFFITO, em nova oportunidade, analisou a graduação em Fisioterapia na modalidade de Educação a Distância (EAD), trabalho este em debate no Conselho Federal desde 2015. Neste ano, devido ao crescimento do modelo no Brasil, e visando proteger a sociedade, a saúde e assegurar uma formação de qualidade aos futuros profissionais, o COFFITO publicou um parecer com posicionamento contrário à abertura e à prática de EAD para a Fisioterapia.
De acordo com o estudo realizado pela Comissão, a formação em Fisioterapia não é compatível com os preceitos da educação a distância, uma vez que este modelo de ensino pode trazer prejuízos à saúde da população.

Participaram da reunião os seguintes membros da Comissão: Dra. Carla Adriane Pires Ragasson; Dr. Fernando Mauro Muniz Ferreira; Dr. José Wagner Cavalcante Muniz; Dra. Lilian Rose de Souza Mascarenhas; Dr. Marcelino Martins; e Dra. Rita de Cássia Paula Souza.
Clique aqui e leia o parecer na íntegra.

Veja abaixo o posicionamento do COFFITO:

COFFITO É CONTRA CURSOS DE GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA NA MODALIDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA – EAD

Em defesa da saúde da sociedade brasileira, o COFFITO se posiciona contra os cursos de graduação em Fisioterapia na modalidade de Educação a Distância- EAD. Trata-se de um método inadequado à formação profissional do fisioterapeuta, pois não garante segurança e qualidade na formação, nem tampouco condições mínimas legalmente exigidas para a formação profissional. Além disso a modalidade de educação a distância é incapaz de formar profissionais aptos para atender às necessidades de saúde da população, podendo colocá-la em risco.
A formação em Fisioterapia exige habilidades e competências profissionais que requerem supervisão docente e contato direto com o paciente, desenvolvidas no decorrer do processo de formação, envolvendo componentes curriculares referentes aos conhecimentos específicos na área da Fisioterapia, conteúdos referentes às Ciências Biológicas e da Saúde, e conteúdos referentes às Ciências Sociais e Humanas. Esses conhecimentos instrumentalizam a práxis fisioterapêutica nas diferentes áreas de atuação, em todos os níveis de atenção à saúde, e em todas as etapas do desenvolvimento humano.
As atividades clínico-terapêuticas devem ocorrer em complexidade crescente, envolvendo conteúdos teóricos, observação e prática assistida, sob responsabilidade de docente fisioterapeuta. Este alerta, aliás, já foi emitido por outros conselhos profissionais da área da Saúde que, assim como o COFFITO, veem a necessidade de chamar a atenção da sociedade em relação ao tema.
A modalidade EaD não possibilita, de forma alguma, habilitar a formação de graduação em Fisioterapia.

  • seta ir para o topo